Em Parque Cultural (1983), Serguei Dovlátov (1941–1990), um dos escritores russos mais icônicos do século 20, nos conduz a um estranho lugar no qual “tudo vive e respira Púchkin”. Nesse parque-museu dedicado a Aleksándr Púchkin, uma espécie de “Pushkinland”, o narrador em primeira pessoa, alter ego do escritor, desconstrói o mito soviético de Púchkin e cria, ao mesmo tempo, “um paralelo entre dois mitos”, o próprio e o do maior poeta russo. A novela, uma das mais notáveis de Dovlátov, toca ainda em questões da estagnação da era Brejnev, nos anos 1970, como o alcoolismo, a censura, o antissemitismo e a emigração. E tudo vem permeado por um humor ferino e inconfundível, numa escrita concisa e poética: ele “era, acima de tudo, um estilista fabuloso. Seus contos se baseiam, principalmente, no ritmo da frase, na cadência do discurso. Eles são escritos como um poema”, como notou seu amigo Joseph Brodsky. Um misto de Gógol e Hemingway, Serguei Dovlátov, cuja literatura fica num limiar curioso entre a realidade e a invenção, cria em "Parque Cultural" um cenário triste e hilário, grotesco e lírico. Um texto profundamente russo mas repleto de questões gerais, como o amor e a literatura.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Parque Cultural
Autor: Serguei Dovlátov
Tradução: Yulia Mikaelyan
Editora: Kalinka
ISBN: 978856109607
Idioma: português
Edição: 1ª
Altura: 21 cm
Largura: 14 cm
Ano de lançamento: 2016
Número de páginas: 168

Clique neste link para conhecer o prazo de entrega e outros detalhes da Banca Tatuí.

Parque Cultural

R$50,00
Parque Cultural R$50,00
Entregas para o CEP:

Meios de envio

  • Banca Tatuí Rua Barão de Tatuí, 275, São Paulo - aberta de segunda a sábado, das 10h às 19h. Após fechar o pedido, aguarde nosso email confirmando que já pode retirar :)

    Grátis

Em Parque Cultural (1983), Serguei Dovlátov (1941–1990), um dos escritores russos mais icônicos do século 20, nos conduz a um estranho lugar no qual “tudo vive e respira Púchkin”. Nesse parque-museu dedicado a Aleksándr Púchkin, uma espécie de “Pushkinland”, o narrador em primeira pessoa, alter ego do escritor, desconstrói o mito soviético de Púchkin e cria, ao mesmo tempo, “um paralelo entre dois mitos”, o próprio e o do maior poeta russo. A novela, uma das mais notáveis de Dovlátov, toca ainda em questões da estagnação da era Brejnev, nos anos 1970, como o alcoolismo, a censura, o antissemitismo e a emigração. E tudo vem permeado por um humor ferino e inconfundível, numa escrita concisa e poética: ele “era, acima de tudo, um estilista fabuloso. Seus contos se baseiam, principalmente, no ritmo da frase, na cadência do discurso. Eles são escritos como um poema”, como notou seu amigo Joseph Brodsky. Um misto de Gógol e Hemingway, Serguei Dovlátov, cuja literatura fica num limiar curioso entre a realidade e a invenção, cria em "Parque Cultural" um cenário triste e hilário, grotesco e lírico. Um texto profundamente russo mas repleto de questões gerais, como o amor e a literatura.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Parque Cultural
Autor: Serguei Dovlátov
Tradução: Yulia Mikaelyan
Editora: Kalinka
ISBN: 978856109607
Idioma: português
Edição: 1ª
Altura: 21 cm
Largura: 14 cm
Ano de lançamento: 2016
Número de páginas: 168

Clique neste link para conhecer o prazo de entrega e outros detalhes da Banca Tatuí.