Escrito em 1965, este texto traz à cena os embates do protagonista Lúcio Paulo com os demais integrantes de um coletivo teatral do qual participa. Além das disputas por protagonismo, dos conflitos amorosos e dos desentendimentos políticos e estéticos entre os membros do grupo, a peça retrata os embates do jovem com seu pai, Cristóvão, um funcionário público que, aborrecido com os frequentes pedidos de empréstimo por parte do filho, o pressiona a trabalhar em um escritório de advocacia, no qual se forjam atas de assembleias que sequer ocorreram.

Concebida por meio de frequentes cortes sequenciais, quase cinematográficos, Moço em estado de sítio sintetiza as dificuldades do engajamento político, as disputas em torno das diferentes correntes estéticas e os dilemas éticos e materiais enfrentados pela esquerda brasileira a partir da ruptura institucional de 1964, com o advento do golpe civil-militar, antecipando elementos de peças posteriores de Oduvaldo Vianna Filho, como Mão na luva e Rasga coração.

Escrita durante os intervalos em que Oduvaldo Vianna Filho atuou nos trabalhos de O desafio e Liberdade, liberdade, esta peça apresenta fortes ressonâncias com o Cinema Novo, gênero muito praticado entre os anos de 1960/70 no Brasil. Em Moço em estado de sítio, Vianna busca respostas nos grupos de esquerda diante dos impasses políticos que se instauravam no país pós-1964. Na opinião do crítico Yan Michalski, o texto representa uma ruptura na trajetória do autor e uma “prova de espantoso amadurecimento”. Ao enfocar Lúcio, um jovem de caráter fraco e duvidoso, que em busca de autopromoção abre mão de seus ideais e de suas relações, Moço em estado de sítio apresenta um tipo corriqueiro, o do anti-herói, indivíduo acuado pelo sistema, que costuma dar o exemplo do oposto a ser seguido.

Escrita em 1965, nem Vianinha nem seus companheiros do grupo Opinião parecem ter levado adiante o projeto de encenar Moço em estado de sítio e a peça foi “engavetada”; como consequência, o autor nunca teve a oportunidade de vê-la encenada. Vianna chegou a presentear a atriz Ítala Nandi, com quem se relacionava à época, com o original. Posteriormente, Nandi o guardou em um baú de mudança que passou anos perdido, até que foi encontrado no fim dos anos 1970, quando o texto, ainda intacto, foi por fim revelado. Censurada e proibida pelo regime militar, a peça continuou praticamente desconhecida até a década de 1980, quando se dá a sua primeira montagem.

Em 1981, Aderbal Freire Filho leva aos palcos do Sesc Tijuca Moço em estado de sítio e dedica o espetáculo à morte de Glauber Rocha e Mario Pedrosa, ambos falecidos naquele ano. O diretor ressalta, em suas palavras, que as gerações que viveram entre os anos “Jota” – referência aos governos de Juscelino Kubitschek, de Jânio Quadros e de João Goulart –, representadas por Vianna com seus jovens sitiados, foram obrigadas a lidar com tumultuados acontecimentos, que quase sempre tiveram consequências entre as famílias mais humildes. O elenco da montagem contava com Zezé Polessa, Carmen Gadelha, Alfredo Ebasco, entre outros, e recebeu o Prêmio MEC por estar entre os cinco melhores espetáculos daquele ano.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Moço em estado de sítio
Autor: Oduvaldo Vianna Filho
Editora: Temporal
ISBN: 978-85-53092-14-7
Idioma: Português
Altura: 19 cm
Largura: 14 cm
Edição: 1ª
Ano de lançamento: 2021
Número de páginas: 136

Clique neste link para conhecer o prazo de entrega e outros detalhes da Banca Tatuí.

Moço em estado de sítio

R$56,00 R$44,80
Moço em estado de sítio R$44,80
Entregas para o CEP:

Meios de envio

  • Sala Tatuí Por causa da pandemia do coronavírus, a Banca Tatuí está fechada. De toda forma, pedidos podem ser retirados na Sala Tatuí, que fica em frente à Banca Tatuí, na Santa Cecília, de segunda a sexta-feira. Após a confirmação do pagamento, aguarde nosso contato.

    Grátis

Escrito em 1965, este texto traz à cena os embates do protagonista Lúcio Paulo com os demais integrantes de um coletivo teatral do qual participa. Além das disputas por protagonismo, dos conflitos amorosos e dos desentendimentos políticos e estéticos entre os membros do grupo, a peça retrata os embates do jovem com seu pai, Cristóvão, um funcionário público que, aborrecido com os frequentes pedidos de empréstimo por parte do filho, o pressiona a trabalhar em um escritório de advocacia, no qual se forjam atas de assembleias que sequer ocorreram.

Concebida por meio de frequentes cortes sequenciais, quase cinematográficos, Moço em estado de sítio sintetiza as dificuldades do engajamento político, as disputas em torno das diferentes correntes estéticas e os dilemas éticos e materiais enfrentados pela esquerda brasileira a partir da ruptura institucional de 1964, com o advento do golpe civil-militar, antecipando elementos de peças posteriores de Oduvaldo Vianna Filho, como Mão na luva e Rasga coração.

Escrita durante os intervalos em que Oduvaldo Vianna Filho atuou nos trabalhos de O desafio e Liberdade, liberdade, esta peça apresenta fortes ressonâncias com o Cinema Novo, gênero muito praticado entre os anos de 1960/70 no Brasil. Em Moço em estado de sítio, Vianna busca respostas nos grupos de esquerda diante dos impasses políticos que se instauravam no país pós-1964. Na opinião do crítico Yan Michalski, o texto representa uma ruptura na trajetória do autor e uma “prova de espantoso amadurecimento”. Ao enfocar Lúcio, um jovem de caráter fraco e duvidoso, que em busca de autopromoção abre mão de seus ideais e de suas relações, Moço em estado de sítio apresenta um tipo corriqueiro, o do anti-herói, indivíduo acuado pelo sistema, que costuma dar o exemplo do oposto a ser seguido.

Escrita em 1965, nem Vianinha nem seus companheiros do grupo Opinião parecem ter levado adiante o projeto de encenar Moço em estado de sítio e a peça foi “engavetada”; como consequência, o autor nunca teve a oportunidade de vê-la encenada. Vianna chegou a presentear a atriz Ítala Nandi, com quem se relacionava à época, com o original. Posteriormente, Nandi o guardou em um baú de mudança que passou anos perdido, até que foi encontrado no fim dos anos 1970, quando o texto, ainda intacto, foi por fim revelado. Censurada e proibida pelo regime militar, a peça continuou praticamente desconhecida até a década de 1980, quando se dá a sua primeira montagem.

Em 1981, Aderbal Freire Filho leva aos palcos do Sesc Tijuca Moço em estado de sítio e dedica o espetáculo à morte de Glauber Rocha e Mario Pedrosa, ambos falecidos naquele ano. O diretor ressalta, em suas palavras, que as gerações que viveram entre os anos “Jota” – referência aos governos de Juscelino Kubitschek, de Jânio Quadros e de João Goulart –, representadas por Vianna com seus jovens sitiados, foram obrigadas a lidar com tumultuados acontecimentos, que quase sempre tiveram consequências entre as famílias mais humildes. O elenco da montagem contava com Zezé Polessa, Carmen Gadelha, Alfredo Ebasco, entre outros, e recebeu o Prêmio MEC por estar entre os cinco melhores espetáculos daquele ano.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
Moço em estado de sítio
Autor: Oduvaldo Vianna Filho
Editora: Temporal
ISBN: 978-85-53092-14-7
Idioma: Português
Altura: 19 cm
Largura: 14 cm
Edição: 1ª
Ano de lançamento: 2021
Número de páginas: 136

Clique neste link para conhecer o prazo de entrega e outros detalhes da Banca Tatuí.